Economista Eduardo Fagnani explica como o desmonte da seguridade social pode aprofundar as desigualdades do país

O novo livro de Eduardo Fagnani, economista referencial no campo da economia social, chega em hora absolutamente crítica para o modelo de desenvolvimento brasileiro pactuado desde o fim da ditadura. A Previdência, um dos pilares essenciais da Seguridade Social, está a um passo de transformar-se radicalmente. Segundo o autor do livro Previdência: O debate desonesto, lançado pela editora Contracorrente, será uma mudança em direção ao passado que invariavelmente destruirá as bases solidárias, contributivas e distributivas da Previdência Social, retrocedendo-a de um direito universal para um mero seguro. E, no Brasil das desigualdades inimagináveis, todos sabemos que são pouquíssimos aqueles que podem pagar por um seguro. 

Mas, espere, não é certo que a “Nova Presidência” vai poupar os mais pobres e punir os ricos? Que vai combater os privilégios do sistema de seguridade social? Que vai resolver o problema demográfico e fiscal, em que velhos que poderiam trabalhar até os 80 anos estão se aposentando com soberbos benefícios antes dos 50? Cada uma dessas perguntas, construídas por um discurso praticamente interditado no interior da máquina pública desde a instalação do governo Bolsonaro, é analisada e desconstruída no livro de Fagnani, com o uso de dados e modelos alternativos produzidos por uma rede de pesquisadores tanto da área previdenciária quanto da tributária. 

Fagnani faz um protesto quase desesperado contra a normalidade no tratamento da reforma da Previdência na Câmara, que, apesar de importantes melhoras, não conseguiu desarmar partes inaceitáveis da proposta original enviada pelo Executivo. A capitalização foi descartada, por constrangedora falta de evidências de que o modelo poderia funcionar no País. O relatório também excluiu as mudanças na parte não contributiva da Previdência, como as regras de acesso ao Benefício de Prestação Continuada, e manteve as condições diferenciadas de acesso das mulheres e dos trabalhadores rurais ao sistema. 

Muitas distorções permanecem, no entanto, entre elas a exclusão da onerosa aposentadoria militar, a confusão entre os regimes próprios e o regime geral, incluindo regimes constitucionalmente distintos no mesmo capítulo da Seguridade Social, a desconstitucionalização dos parâmetros e das regras de acesso, fragilizando a segurança jurídica da Previdência, o aumento do tempo mínimo de contribuição para os trabalhadores urbanos homens que ingressarem no mercado de trabalho pela primeira vez após a reforma, excluindo parte da nova geração de trabalhadores pobres e precarizados que não terão condições de contribuir com um mínimo para se aposentar. 

A reforma trabalhista e o baixo crescimento estrutural da produtividade e da massa salarial, associados à perda de atratividade para a permanência no sistema de quem ganha acima de um salário mínimo, tornam real o risco de esvaziamento da Previdência pública e podem ter efeito negativo mais forte do que o aparente benefício derivado do aumento da progressividade interna de seus rendimentos

A reforma trabalhista e o baixo crescimento estrutural da produtividade e da massa salarial, associados à perda de atratividade para a permanência no sistema de quem ganha acima de um salário mínimo, tornam real o risco de esvaziamento da Previdência pública e podem ter efeito negativo mais forte do que o aparente benefício derivado do aumento da progressividade interna de seus rendimentos.

O economista desnuda a argumentação superficial e imprecisa dos “especialistas”

Fagnani vai além: seria o debate sobre a reforma da Previdência no Brasil desonesto? Há razoáveis elementos para duvidarmos dos fundamentos em que a maioria da distinta classe de “especialistas” na área se apoia. O argumento principal dos reformistas é que o nosso complexo sistema de aposentadorias seria excessivamente caro e generoso, e a conta impagável, dado o envelhecimento populacional. O problema é que esta realidade demográfica é obliterada por um modelo de previsão econômica extremamente impreciso, de longuíssimo prazo, e cujas variáveis estruturais estão fixadas em patamares medíocres (como as taxas de formalização do mercado de trabalho, de aumento do salário mínimo, da produtividade e da inflação). 

Em um modelo solidário de Previdência tão complexo e grande como o brasileiro, o mínimo que se poderia esperar dos especialistas seria um esforço de análise dinâmica do comportamento das aposentadorias ao longo de distintos cenários econômicos possíveis, demonstrando as “necessidades de financiamento” que cada trajetória de desenvolvimento poderia representar para a sociedade brasileira, para, agora sim, propor mudanças nas regras de acesso. 

Compre o livro no site

Fonte: Site Carta Capital

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.